Arquivo

Archive for the ‘Poetadas’ Category

BEM NO FUNDO

no fundo, no fundo,

bem lá no fundo,

a gente gostaria

de ver nossos problemas

resolvidos por decreto

a partir desta data,

aquela mágoa sem remédio

é considerada nula

e sobre ela — silêncio perpétuo

extinto por lei todo o remorso,

maldito seja quem olhar pra trás,

lá pra trás não há nada,

e nada mais

mas problemas não se resolvem,

problemas têm família grande,

e aos domingos saem todos passear

o problema, sua senhora

e outros pequenos probleminhas

LEMINSKI, Paulo. Distraídos Venceremos. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

Categorias:Poetadas Tags:,

I carry your heart with me

Autor: E.E. Commings

I carry your heart with me ( i carry it in
my heart). I am never without it ( anywhere
I go you go, my dear; and whatever is done
by only me is your doing, my darling)
I fear no fate (for you are my fate, my sweet) I want
no world (for beautiful you are my world, my true)
and it’s you are whatever a moon has always meant
and whatever a sun will always sing is you
here is the deepest secret nobody knows
(here is the root of the root and the bud of the bud
and the sky of the sky of a tree called life; which grows
higher than the soul can hope or mind can hide)

I carry your heart ( I carry it in my heart)

Tradução:

Eu carrego o seu coração comigo

Eu carrego o seu coração comigo ( eu o levo em meu coração).
Eu nunca estou sem ele (em qualquer lugar que eu for você vai, minha querida; e o que quer somente eu faça é por você, minha querida)
Eu não tenho medo do destino (porque você é meu destino, meu doce)
Eu não quero nenhum mundo (você, minha linda, é o meu mundo, minha verdade)
E é você que a lua sempre significou
e tudo que o sol sempre vai cantar é você
e o  mais profundo segredo que ninguém conhece
(a raiz da raiz e o broto do broto
e o céu do céu de uma árvore chamada vida; que cresce
maior do que a alma pode esperar ou a mente pode esconder)

Eu carrego seu coração (eu o levo no meu coração)

_______________________

Vi este poema no filme In her shoes, que traduzido para o português ganhou o título, nada a ver, de Em seu lugar. Eu fiquei, durante o filme, pensando o porquê daquele nome, cheguei a pensar  que uma das irmãs fosse se passar ou tomar o lugar da outra… In her shoes é um título muito mais normal, já que Maggie, interpretada por Cameron Dias, sempre usa escondido algum sapato de sua irmã Rose. Eu não sei o que este pessoal de tradução tem na cabeça…

Mas, voltando ao poema, eu o achei muitooo bonito! Durante o filme ele é recitado por Maggie para Rose em seu casamento, e demonstra o laço que existe entre as duas, a amizade e cumplicidade! Cena muito tocante! Filme suave e doce, sem as maluquices que estamos acostumados a ver nas telas. Recomendo!

Categorias:Poetadas Tags:,

Ponte de Mirabeau

Ponte de Mirabeau  

Guillaume Apollinaire

Tradução: Ferreira Gullar

Sob a ponte Mirabeau desliza o Sena
E os nossos amores
É bom lembrar, vale a pena,
Que a alegria sucede aos dissabores

A noite vem passo a passo
Os dias se vão eu não passo

As mãos nas mãos estamos face a face
Enquanto passa
Sob a ponte de nossos braços
A onda lenta de um eterno cansaço

A noite vem passo a passo
Os dias se vão eu não passo

O amor se vai como esta água barrenta
O amor se vai
Como a vida é lenta
E como a esperança é violenta

A noite vem passo a passo
Os dias se vão eu não passo

Passam-se os dias passam-se as semanas
Nada do que passou
volta de novo à cena
Sob a ponte Mirabeau desliza o Sena

A noite vem passo a passo
Os dias se vão eu não passo

(Grifos nossos)


Então é Fim de Ano!

Receita de ano novo

Carlos Drummond de Andrade

Para você ganhar um belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanhe ou qualquer outra
birita, não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens? passa telegramas?).

Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.

É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.”

Categorias:Poetadas

sorte no jogo azar no amor

“sorte no jogo
azar no amor
de que me serve
sorte no amor
se o amor é um jogo
e o jogo não é meu forte,
meu amor?”

(LEMINSKI, PAULO. DISTRAÍDOS VENCEREMOS. 2ª edição Curitiba: Editora Brasiliense, 1987)

Categorias:Poetadas